Nenhuma publicidade para exibir!
NO AR
sintonize 93,5 FM
ouça
NAVEGUE
FIQUE LIGADO
NOTÍCIAS: Estrangeiros reativarão mina da MMX até meados deste ano




Moradores da região estão animados com geração de emprego; contratações já começaram

Publicada em 07/02/2017

Há dois anos, afetada pela crise que se alastrou pelo grupo empresarial de Eike Batista, a MMX Sudeste decretou recuperação judicial e vendeu a mina do Ipê, localizada na divisa de Brumadinho, Igarapé e São Joaquim de Bicas, na região metropolitana. Os novos donos – a holandesa Trafigura e a Mubadala, dos Emirados Árabes – já preparam a retomada das operações. A previsão é de que a mina volte a funcionar em meados deste ano, e os preparativos para as contratações trazem ânimo para a região, com a expectativa de 200 empregos diretos.

Só no ano passado, Brumadinho, que tem 40 mil habitantes, registrou 2.508 demissões. Diante desse cenário, o secretário municipal de Ação Social de Brumadinho, Valcir Carlos Martins, está confiante na ativação da economia. “Quando as atividades forem retomadas, toda a cidade vai se movimentar com comércio e serviços. Para cada emprego, outros dois devem ser gerados.”

As contratações já começaram. “Assim que soubemos que a mina seria reaberta, procuramos a Mineração Morro do Ipê e conseguimos fechar uma parceria para garantir que pelo menos 70 empregos fossem destinados a moradores de Brumadinho. Chegamos a encaminhar 525 currículos, e 90 entrevistas já foram feitas. O Sine, que estava parado há muito tempo, tem encaminhado cerca de três pessoas por dia”, comemora.

A Mineração Morro do Ipê não informou a data de reinauguração. Mas as prefeituras de Brumadinho e Igarapé e o presidente da MMX, Ricardo Werneck, confirmaram. “Tudo está andando em um ritmo bastante interessante, o que indica que a mina voltará a funcionar no primeiro semestre”, diz Werneck.

A mina faz parte do complexo Serra Azul, adquirido pela MMX em 2007. Segundo o presidente da MMX, a produção atingiu o pico em 2012. “Nessa época, a produção era de 6 milhões de toneladas de minério de ferro e tínhamos mais de mil pessoas trabalhando”, lembra.

Em 2012, Eike Batista conseguiu licença para expansão. A promessa era quadruplicar a capacidade de produção e alcançar 24 milhões de toneladas de minério de ferro por ano. A promessa animou os comerciantes e os prestadores de serviços, que se empolgaram e investiram para crescer junto com a mina. Mas, em vez de crescimento, ficaram as contas para pagar.

Com a crise na petroleira OGX, em 2013, os bancos fecharam as portas para o grupo EBX. Em 2014, a mina foi embargada pelo Ministério Público Estadual. Para piorar, o preço do minério despencou, e a MMX Sudeste decidiu parar as atividades. Para conseguir dinheiro e pagar os credores, a saída foi colocar os ativos à venda.

A mina foi vendida por R$ 70 milhões. Outros R$ 70 milhões serão pagos em royalties. Alguns credores aceitaram receber participação na sociedade como parte do pagamento. E tem ainda fazendas e terminais de carga à venda. “Isso tudo dá pouco mais de 30% do valor total da dívida, que é de R$ 675 milhões. O restante foi perdoado pelos credores”, explica Werneck.


CARTEIRA ASSINADA

2.278 foram as vagas geradas em Brumadinho, em 2016

2.508 foi o total de demissões em Brumadinho, em 2016

284 foram os postos fechados na indústria extrativa

-2,81% queda no saldo de empregos em 2016, segundo o Caged

 

 

 

Eike Batista ainda é dono de 7% da fatia dos credores

O empresário Eike Batista ainda tem 7% dos ativos do complexo de Serra Azul. Antes de ser vendida, a mina de Brumadinho era da MMX Sudeste, um braço da MMX. No plano de recuperação judicial, 51% ficaram com o fundo de investidores formado pela Trafigura e pela Mubadala. Os outros 49% foram distribuídos entre os credores. “O Eike era um credor, pois a MMX tinha feito um empréstimo para essa operação”, explica o presidente da MMX Ricardo Werneck.

Sobre os planos para Minas Gerais, o executivo, que assumiu o posto em 2014, ressalta que a intenção é terminar de vender os demais ativos, incluindo fazendas e terminais de carga, e concluir o pagamento aos credores, que abriram mão de 70% da dívida.

“A MMX Sudeste ainda tem o direito minerário de uma mina em Bom Sucesso (Centro-Oeste de Minas). Quando sair da recuperação judicial, vai continuar existindo. Na hora em que o mercado estiver melhor, pode tentar desenvolver uma nova operação”, afirma Werneck.

 

Entenda. Quando a MMX Sudeste entrou em recuperação judicial, tinha cerca de 350 credores, com dívidas individuais de R$ 1.000 a R$ 100 mil. O bolo total era de R$ 675 milhões.

 

Fonte: O Tempo

 

 

<< Retornar para Notícias

PEDIDOS MUSICAIS
Nome:
E-mail:
Cidade:
Estado:
Recado:
REDES SOCIAIS
       
TOP 10
Círculo
Matheus & Kauan
Menina Maluquinha
Jorge & Mateus
Oi
Léo Magalhães
De quem é a Culpa?
Marília Mendonça
E nessas Horas
Matheus e Kauan
Na Conta da Loucura
Bruno e Marrone
Raspão
Henrique e Diego Part. Simone e Simaria
Modão Duído
Michel Teló Part. Maiara e Maraísa
Eu vou te buscar
Gusttavo Lima
Amor da sua cama
Felipe Araújo
 
INÍCIO | A RÁDIO | PROGRAMAÇÃO | EQUIPE | AGENDA | NOTÍCIAS | FOTOS | VÍDEOS | PROMOÇÕES | MURAL DE RECADOS | CONTATO

2017 © Todos os direitos reservados. É proibido a cópia total ou parcial deste site.