NO AR
Show da Manhã
Mateus Edson
NAVEGUE
FIQUE LIGADO
NOTÍCIAS: Eike diz em depoimento que repassou R$ 16,5 milhões a Cabral; delação ainda segue indefinida





Publicada em 01/02/2017

O empresário Eike Batista admitiu nesta terça (31), em depoimento à Polícia Federal, que repassou US$ 16,5 milhões ao ex-governador do Rio Sérgio Cabral. A informação foi divulgada na noite de ontem no blog de Lauro Jardim, do jornal “O Globo”. O dinheiro envolvido, referente à falsa venda de uma mina de ouro, teria sido repassado pelos irmãos-doleiros Marcelo e Renato Chebar. A hipótese de uma possível delação de Eike ainda não foi definida.

Segundo o advogado do empresário, o criminalista Fernando Martins, “a princípio não há possibilidade de delação”. Ele fez a breve declaração ao chegar à sede da Polícia Federal, no Centro do Rio, acompanhando o cliente que depôs durante quatro horas.

O ex-controlador do Grupo EBX pode ter informado aos investigadores também sobre negócios na Petrobras – em especial, sobre a exploração do pré-sal e também dos campos de gás.

Martins informou que protocolou na segunda-feira um pedido de habeas corpus em favor do empresário, alvo da Operação Eficiência, deflagrada pela Polícia Federal na última quinta-feira.

Ele teve a prisão decretada depois que dois doleiros fizeram acordos de delação com a Operação “Lava Jato” no Rio e contaram que ele pagou US$ 16,5 milhões de propina ao ex-governador do Rio, que está preso.

Leia mais:
'A princípio não há possibilidade de delação', diz advogado de Eike
Eike encerra depoimento na Superintendência da PF e volta para Bangu
Foto de Eike com cabelo raspado movimenta redes sociais; empresário depõe hoje no Rio

Conflito

Oito advogados que representavam Sérgio Cabral renunciaram da defesa do peemedebista alegando “conflito de interesses”. Os criminalistas também atuam na defesa do empresário Eike Batista. 

A defesa de Cabral era encabeçada pelos criminalistas Ary Bergher e Raphael Mattos, sócios do escritório Bergher & Mattos. Os dois representam Eike Batista em outros processos na Justiça, como a ação penal que tramita na 3ª Vara Federal Criminal do Rio. 

Nela, o fundador do grupo é acusado dos crimes de manipulação de mercado e uso de informações privilegiadas (insider trading) na negociação de ações da empresa de construção naval do grupo, a OSX.

O peemedebista vinha conversando com seus advogados sobre a possibilidade de fechar um acordo de delação e havia fechado a troca de Ary Bergher pelo criminalista Sérgio Riera.

Riera foi responsável pela delação premiada na “Lava Jato” de Fernando Falcão Soares, o Fernando Baiano, apontado como operador do PMDB em contratos na Diretoria Internacional da Petrobras. À época, o advogado negou ter sido contratado por Cabral. Segundo ele, seu trabalho, atualmente, estava relacionado somente à defesa da ex-mulher de Cabral Susana Neves Cabral.

(*) Com agências

 

Fonte: Hoje Em Dia

 

 

<< Retornar para Notícias

PEDIDOS MUSICAIS
Nome:
E-mail:
Cidade:
Estado:
Recado:
REDES SOCIAIS
     
TOP 10
Aquela Pessoa
Henrique e Juliano
Medida Certa
Jorge e Mateus
Vidinha de Balada
Henrique e Juliano
De quem é a Culpa?
Marília Mendonça
E nessas Horas
Matheus e Kauan
Na Conta da Loucura
Bruno e Marrone
Raspão
Henrique e Diego Part. Simone e Simaria
Modão Duído
Michel Teló Part. Maiara e Maraísa
Eu vou te buscar
Gusttavo Lima
Amor da sua cama
Felipe Araújo
 
INÍCIO | A RÁDIO | PROGRAMAÇÃO | EQUIPE | AGENDA | NOTÍCIAS | FOTOS | VÍDEOS | PROMOÇÕES | MURAL DE RECADOS | CONTATO

2017 © Todos os direitos reservados. É proibido a cópia total ou parcial deste site.