NO AR
Programas
Sem Limites
NAVEGUE
FIQUE LIGADO
NOTÍCIAS: Aumento do preo mnimo do frete de cargas pode elevar valor de alimentos para populao





Publicada em 08/06/2018

Reportagem, Paulo Henrique Gomes

Você provavelmente foi atingido de alguma maneira pela greve dos caminhoneiros iniciada em maio, certo? A questão é que, mesmo após o fim da paralisação, a população ainda pode ser afetada de outras maneiras.

 

Isso porque, publicada em 27 de maio, a Medida Provisória (MP) 832/2018 estabelece o valor do frete mínimo para quem trabalha no setor de transporte rodoviário de cargas. A formulação da tabela com os preços mínimos dos fretes faz parte do acordo entre governo e caminhoneiros para tentar por fim à paralisação que afetou o abastecimento em todo o país.

 

A medida, regulamentada pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), poderá impactar diversos setores. Especialistas defendem que esses efeitos devem ser notados pela população, inclusive, no preço das mercadorias, que podem sofrer alterações.

O que acontece, é que - com a medida - diversos setores da indústria devem reduzir suas remessas de cargas ou podem cogitar a hipótese de montar frotas próprias de caminhões. Segundo o presidente da Associação Brasileira das Indústrias da Alimentação, Wilson de Mello, tabelar o preço mínimo dos fretes irá aumentar o custo da logística da indústria de alimento em até 80%.

"Achamos que não há necessidade de se estipular frete mínimo no país. Agora, não é essa a realidade que a gente tem hoje. Qual é a consequência do frete mínimo? Um aumento de custo de 30 a 80% na logística da indústria de alimentos".

Segundo a ANTT, as tabelas foram elaboradas conforme as características das cargas, que foram divididas em carga geral, a granel, frigorificada, perigosa e neogranel. A tabela publicada no fim de maio terá validade até 20 de janeiro de 2019. A partir daí, de acordo com a MP, novas tabelas deverão ser publicadas até os dias 20 de janeiro e 20 de julho de cada ano e serão válidas para o semestre em que forem editadas.

Na opinião de Wilson de Mello, a atual tabela do preço mínimo dos fretes poderá atrapalhar o crescimento das empresas do setor de alimentos no país.

"As empresas vão perder competitividade se elas trabalharem com exportação, elas vão perder, na verdade, rentabilidade no mercado interno. Menos rentabilidade, menos investimento, menos investimento, menos crescimento".

 

A Confederação Nacional da Indústria também se pronunciou sobre o assunto. De acordo com a CNI, "a avaliação é de que não só cidadãos comuns e empresários, mas também os próprios caminhoneiros autônomos terão prejuízos incalculáveis com a medida. De imediato, desde que a tabela mínima entrou em vigor, diversas indústrias reduziram as remessas de cargas". A CNI também está avaliando possíveis medidas judiciais e administrativas contra as normas que estabeleceram valor mínimo de transporte de carga para o Brasil.

 

A tabela preço mínimo do frete de cargas publicada durante a paralisação dos caminhoneiros causou polêmica. Diante disso, a ANTT divulgou, nesta quinta-feira (7), uma nova tabela. Poucas horas depois, o Ministério dos Transportes informou que a nova tabela seria revogada. De acordo com a pasta, a decisão foi tomada porque os caminhoneiros reagiram negativamente aos novos valores definidos. Ainda segundo o órgão, volta a valer a tabela publicada em 30 de maio.

 

 

 

<< Retornar para Notícias

PEDIDOS MUSICAIS
Nome:
E-mail:
Cidade:
Estado:
Recado:
REDES SOCIAIS
       
TOP 10
Prioriodade
Midian Lima
De Pai pra filho
Renato Gerson
Se me humilhar
Disco Praise
Paz Interior
Grupo Liberdade
Realize
Flordelis
Sentimentos
Jefter Figueiredo
Acende a Luz
Aline Barros
Só tu és
Mantovani
O pecador
Jairo Firmino
Pintor
Pr Lucas
ENQUETE
Qual dificuldade em divulgar seu CD
 
 
 
 
 
 
INÍCIO | A RÁDIO | PROGRAMAÇÃO | EQUIPE | AGENDA | NOTÍCIAS | FOTOS | VÍDEOS | PROMOÇÕES | MURAL DE RECADOS | CONTATO

2017 © Todos os direitos reservados. É proibido a cópia total ou parcial deste site.